A relação com o médico



A relação com o médico

O médico é alguém a quem, numa fase destas, vamos confiar a vida. Por isso, estabelecer com ele uma relação de confiança é importante para o sucesso dos tratamentos e para a sua tranquilização.

Podemos dizer que existem 5 níveis de relação médico-doente:

Nível 1 É o nível relacional mais simples e concreto. Há uma dependência total em relação às decisões do médico quanto ao tratamento. Existe pouco diálogo e a personagem principal é o médico e não o doente.
Nível 2 O doente assume um papel de cumpridor de tarefas e pretende obter resultados concretos que sejam exatamente os que o médico previu, caso contrário coloca a utilidade do médico em causa.
Nível 3 Neste nível existe uma dependência emocional do médico. A relação baseia-se no balanço entre a identificação e a rejeição das decisões do tratamento.
Nível 4 Relação contratual com o médico. É uma relação eficaz que se baseia no cumprimento de objetivos, decisões e deveres relacionados com o tratamento.
Nível 5 Trata-se de uma relação exploratória, baseada no diálogo e compreensão dos processos de doença e cura. Há uma participação ativa do doente nas decisões quanto aos tratamentos. 

Este texto foi revisto e atualizado em outubro de 2014‏‏.
Em caso de dúvida o seu médico e a restante equipa de saúde são uma fonte privilegiada para obter informações mais pormenorizadas e adaptadas à sua situação.
A informação disponibilizada pelo ONCO+ pretende ser abrangente, percetível, independente, correta e atualizada e não substitui a informação dos serviços oficiais de saúde.
Para sugestões, dúvidas, ou esclarecimentos adicionais contacte-nos em www.oncomais.pt ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Ajude-nos a melhorar o seu ONCO+