As emoções e o Cancro



As emoções e o Cancro

Se há alguns anos um tratamento ou uma intervenção médica era encarada como uma questão unicamente científica, atualmente, a medicina olha para o Homem como um todo, integrando os processos emocionais por que passa como uma componente da doença.

As emoções como ansiedade e stresse, depressão e disforia (sensação de mal-estar) ou hostilidade são responsáveis por atrasos no processo de cura, dificuldades na adesão ao tratamento e deterioração da qualidade de vida.

É natural que as pessoas lhe digam para pensar positivo, para ter calma, de facto, estes conselhos não são em vão.

As emoções negativas e depressivas são responsáveis pelo aumento de certas hormonas na circulação sanguínea. Estas hormonas são prejudiciais ao estado de saúde e, muitas vezes, pioram os episódios de dor seja ela aguda ou crónica.

As doenças cardíacas são um bom exemplo desta relação entre o estado de doença e as emoções. O stresse e a agressividade aumentam a probabilidade de doenças coronárias. Também na doença oncológica estes sentimentos dificultam a eficácia dos tratamentos e pioram os sintomas como a dor ou o mau estar.

 

 

Este texto foi revisto e atualizado em outubro de 2014‏‏.
Em caso de dúvida o seu médico e a restante equipa de saúde são uma fonte privilegiada para obter informações mais pormenorizadas e adaptadas à sua situação.
A informação disponibilizada pelo ONCO+ pretende ser abrangente, percetível, independente, correta e atualizada e não substitui a informação dos serviços oficiais de saúde.
Para sugestões, dúvidas, ou esclarecimentos adicionais contacte-nos em www.oncomais.pt ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Ajude-nos a melhorar o seu ONCO+