Diagnóstico



Cancro da cabeça e Pescoço - Diagnóstico

Para fazer um diagnóstico correto é necessária uma avaliação médica cuidada e exames complementares.

Os exames a realizar são sempre direcionados para o tipo e localização do cancro que está a ser pesquisado. Nesse sentido, para o cancro da cabeça e pescoço os procedimentos a realizar incluem:

  • Interrogatório médico - nesta fase, o médico deverá questionar os sinais e sintomas, como por exemplo, se tem dificuldade em engolir, dificuldade em respirar, se tem alguma ferida na boca que não cicatriza, entre outros. Na fase de interrogatório médico deverá ainda ser questionado sobre hábitos tabágicos, alcoólicos e hábitos de higiene oral, bem como a presença de outras doenças.

  • Exame físico - o exame físico consiste na observação de algumas partes do corpo. Neste caso, o seu médico deverá observar e palpar alguma área anormal a nível da cavidade oral, da orofaringe, da língua e do pescoço. A observação e avaliação dentária também devem ser feitas.

  • Análises sanguíneas – as análises sanguíneas são sempre importantes, já que permitem ter acesso a várias informações. Dependendo do tipo de cancro que está em estudo podem ser pedidas diferentes análises, como o teste do vírus da SIDA (VIH) e a função da glândula tiróide.

  • A biópsia e a citologia – a biópsia consiste na recolha de um pedaço do tecido do órgão afetado e a citologia consiste na recolha de apenas algumas células desse mesmo local afetado, para que possam ser analisadas em laboratório. A biópsia, quando possível, é preferível à citologia. Com estas análises vamos então saber se se trata de cancro e qual o seu tipo.

  • Endoscopia – pode ser realizada a vários órgãos, é uma técnica que utiliza um fibroscópio (tubo flexível com uma câmara ótica e fotográfica na ponta) que permite observar a parte interna de um órgão, como por exemplo, a faringe e a laringe ou o esófago e estômago (nestes 2 últimos casos habitualmente chamada endoscopia digestiva alta). Permite também fazer biópsias e citologias.
  • Faringo/Laringoscopia – é o exame endoscópico para avaliar a faringe e a laringe. Possibilita a visualização direta do órgão e a aquisição de imagens da zona afetada. É também muito útil para fazer a recolha de biópsias ou citologias.

  • Ecografia – a ecografia é uma técnica de imagem que não utiliza radiação, esta utiliza ultrassons que não têm efeito prejudicial para a saúde. A ecografia permite observar as estruturas através do exterior.

  • TAC (tomografia axial computorizada) - a TAC é um exame de imagem que permite ver com maior clareza, quando comparado, por exemplo, com a ecografia, a maior parte dos órgãos.
  • Ressonância magnética – é uma técnica de imagem que permite uma visualização mais pormenorizada de determinadas estruturas, tendo por isso indicações específicas.

O seu médico poderá solicitar outros exames que considere adequados, além dos aqui referidos, em função da sua situação específica.

ref. (50)

Este texto foi revisto e atualizado em outubro de 2014‏‏
Em caso de dúvida o seu médico e a restante equipa de saúde são uma fonte privilegiada para obter informações mais pormenorizadas e adaptadas à sua situação.
A informação disponibilizada pelo ONCO+ pretende ser abrangente, percetível, independente, correta e atualizada e não substitui a informação dos serviços oficiais de saúde.
Para sugestões, dúvidas, ou esclarecimentos adicionais contacte-nos em www.oncomais.pt ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Ajude-nos a melhorar o seu ONCO+