Prognóstico e tratamento



Glioblastoma - Prognóstico e tratamento

O prognóstico deste tipo de cancro é sempre delicado, por se tratar de um cancro com elevado grau de malignidade e, geralmente, com uma extensão bastante considerável na altura do diagnóstico.

A esperança média de vida para pessoas com diagnóstico de glioblastoma tem aumentado, sobretudo nos últimos anos, graças a avanços nos tratamentos. 

Relativamente ao tratamento do glioblastoma, embora exista um procedimento mais ou menos padronizado, cada caso é único. Por isso, o tratamento pode não ser igual para duas pessoas com o mesmo problema. Além disso, este é sempre discutido pela equipa multidisciplinar que acompanha o doente e tem em conta vários fatores como a idade, a existência de outros problemas de saúde, a tolerância a determinados tratamentos, entre outros.

É um cancro difícil de tratar, quer pela sua extensão e localização, quer pela sua composição. Ele contém vários tipos de células em que umas respondem a determinadas terapias e outras não, por isso, na maioria dos casos é necessária mais do que uma terapia.

O primeiro passo no tratamento é aliviar a pressão cerebral, o que irá permitir um alívio dos sintomas.  

A possibilidade de cirurgia depende largamente da localização e extensão do cancro. Na maioria dos casos tenta-se, através da cirurgia, remover a maior quantidade possível de tumor. Por ser um cancro com uma reprodução celular bastante rápida e com uma forma semelhante a “tentáculos”, a remoção completa é, muitas vezes, impossível. É particularmente mais difícil quando o tumor se localiza próximo de zonas do cérebro responsáveis por funções importantes, como a linguagem ou o movimento.

Além da cirurgia, são utilizadas a quimioterapia e/ou radioterapia. Estes tratamentos têm como objetivo principal atrasar o crescimento do tumor, especialmente das porções do tumor que permanecem no cérebro após a cirurgia. No tratamento por quimioterapia a substância ativa mais utilizada é a temozolomida.

ref. (52)

Este texto foi revisto e atualizado em outubro de 2014‏‏.
Em caso de dúvida o seu médico e a restante equipa de saúde são uma fonte privilegiada para obter informações mais pormenorizadas e adaptadas à sua situação.
A informação disponibilizada pelo ONCO+ pretende ser abrangente, percetível, independente, correta e atualizada e não substitui a informação dos serviços oficiais de saúde.
Para sugestões, dúvidas, ou esclarecimentos adicionais contacte-nos em www.oncomais.pt ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Ajude-nos a melhorar o seu ONCO+