Prevenção



Prevenção do cancro da mama

O rastreio é realizado na mulher sem quaisquer sinais ou sintomas de cancro da mama, de modo à doença poder ser detetada o mais precocemente possível. A deteção de cancro da mama em fase precoce é o fator que confere melhor prognóstico, ou seja, a probabilidade de cura é maior.  
Os componentes de avaliação do rastreio do cancro da mama são dependentes da idade e de outros fatores como história médica anterior e antecedentes familiares.

Autoexame da mama
A realização de auto exame mamário não mostrou efeito na redução da mortalidade por cancro da mama. Contudo, as mulheres devem estar familiarizadas com as suas mamas e reportar qualquer alteração ao seu médico assistente.

Como fazer?
O autoexame da mama deve ser feito em três posições:

  • Observação das mamas em frente ao espelho
    Deve fazer a observação da mama em três posições: com os braços caídos ao longo do corpo, com os braços levantados atrás da nuca e, por último, com as mãos na cintura.

    Nas três observações deve prestar particular atenção a:
    - Alterações na pele da mama, como rugosidades ou alterações da cor
    - Existência de alguma saliência ou concavidade

Seguidamente, deve pressionar o mamilo e verificar se existe a saída de algum líquido, bem como se existe alguma diferença no aspeto do mesmo, como por exemplo, estar mais para dentro do que o habitual.

  • Palpação da mama em pé
    A palpação em pé pode ser feita no banho com as mãos ensaboadas, permitindo um melhor deslizamento dos dedos.
    Para fazer a palpação da mama esquerda deve colocar o braço esquerdo atrás da cabeça e apalpar toda a mama com os dedos indicador, médio e anelar. Deve procurar qualquer saliência ou relevo anormal. Em seguida, faça o mesmo processo para a mama direita.
  • Palpação da mama deitada
    Deve realizar o mesmo procedimento da palpação da mama em pé, na posição deitada.

Onde deve fazer o auto-exame

A palpação da mama, nas três posições, deve ser feita recorrendo a três tipos de movimentos:

  • Linear
  • Espiral
  • Quadrantes 

Movimentos do auto-exame

Exame mamário clínico
Este faz parte do exame físico realizado pelo médico assistente.

As mulheres saudáveis com risco mediano para cancro da mama, entre os 25 e 40 anos, devem ser submetidas a exame mamário clínico a cada 1 a 3 anos e encorajadas a familiarização com as suas mamas. Nas mulheres com 40 ou mais anos é recomendado o exame mamário clínico anualmente.

Embora a realização do autoexame mamário e o exame mamário clínico não terem demonstrado impacto na sobrevivência das mulheres com cancro da mama, a sua realização pode ser importante na deteção de lesões que possam surgir no intervalo entre os exames de imagem de rastreio.

Rastreio com exames de imagem
Os exames de diagnósticos que permitem fazer uma vigilância da mama são a mamografia e a ecografia mamária. A idade a partir da qual e a regularidade a que estes exames devem ser realizados pode variar consoante o país e normas estabelecidas. A todas as mulheres devem ser explicados os benefícios, riscos e limitações dos exames de rastreio.

De acordo com as normas da Direção Geral da Saúde, a mamografia deve ser realizada a cada 2 anos a partir dos 50 e até aos 69 anos, mesmo não tendo detetado qualquer nódulo ou anomalia na mama durante o autoexame ou exame físico, e nas mulheres com densidade mamária elevada ou próteses mamárias, a ecografia pode complementar este estudo.

O programa de rastreio do cancro da mama da Liga Portuguesa Contra o Cancro preconiza que este seja feito a partir dos 45 anos e até aos 69 anos.

Na Suécia, para as mulheres entre os 40 e os 49 anos está recomendada a realização de mamografia a cada 1,5 anos, enquanto nos EUA as recomendações são de realizar a partir dos 40 anos mamografia anual ou a cada 2 anos.

Quanto à aplicação do rastreio em mulheres idosas, os dados são limitados relativamente aos seus benefício, riscos ou limitações, uma vez que a maioria da população estudada apresentava idades até aos 65 ou 70 anos. A realização de rastreio, nesta população, deve ser individualizada pesando os seus benefícios/riscos potenciais e a longevidade estimada.

A ecografia mamária é um meio de diagnóstico mais utilizado em mulheres jovens. Não está definida uma periodicidade para a realização deste exame. Contudo, este será um dos primeiros exames a realizar caso seja detetado algum nódulo ou outra alteração na mama. Complementado por mamografia e eventual biópsia.

É extremamente importante que todas as mulheres adquiram consciência da importância da vigilância na deteção do cancro da mama. A grande maioria dos casos diagnosticados em fases precoces são resolvidos sem grandes perdas para a mulher. Uma deteção precoce do cancro da mama só é possível com autoexame mamário e exame clínico mamário regular e eficaz e a realização de mamografia de acordo com o programa de rastreio nacional.

ref. (2) (16) (17)

Este texto foi revisto e atualizado em fevereiro 2015.
Em caso de dúvida o seu médico e a restante equipa de saúde são uma fonte privilegiada para obter informações mais pormenorizadas e adaptadas à sua situação.
A informação disponibilizada pelo ONCO+ pretende ser abrangente, percetível, independente, correta e atualizada e não substitui a informação dos serviços oficiais de saúde.
Para sugestões, dúvidas, ou esclarecimentos adicionais contacte-nos em www.oncomais.pt ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Ajude-nos a melhorar o seu ONCO+