A pele



A pele

Ao conjunto da pele e estruturas anexas como o cabelo, unhas e glândulas (pequenas estruturas responsáveis pela produção e libertação de substâncias) chama-se sistema tegumentar.

Funções da pele
A pele desempenha várias funções importantes:

  • Proteção. A pele protege-nos contra a entrada de microorganismos, contra o desgaste diário (abrasão) e ainda nos confere proteção contra a radiação ultravioleta
  • Sensibilidade. Na pele localizam-se recetores responsáveis pelas sensações de calor, frio, tato, pressão e dor
  • Regulação da temperatura. O fluxo de sangue através da pele permite-nos aquecer ou arrefecer consoante a necessidade do organismo. Além disso, localizam-se na pele as glândulas sudoríparas, responsáveis pela produção de suor, que permitem arrefecer a pele
  • Prevenção da desidratação. A pele auxilia na regulação da quantidade de água que é libertada pelo corpo
  • Libertação de substâncias tóxicas. Através da atividade das glândulas sudoríparas é possível libertar algumas substâncias tóxicas

As funções da pele

Constituição da pele

Constituição da pele
A pele é composta por duas camadas principais, a derme e a epiderme, e uma terceira camada que praticamente já não faz parte da pele e que serve de ligação aos ossos e músculos, a hipoderme.

A derme é a camada responsável pela resistência e estrutura da pele. O colagénio (tipo de fibra) é o seu principal constituinte. Na derme também se localizam nervos, responsáveis pelas sensações de dor, comichão, temperatura e tato, folículos pilosos, músculos, glândulas e vasos linfáticos.

Constituição da pele

A camada derme é constituída por duas subcamadas:

- Camada reticular – mais profunda e contínua com a hipoderme
- Camada papilar – mais superficial. Contém vários vasos sanguíneos que fornecem oxigénio e nutrientes à epiderme e ajudam a regular a temperatura do corpo

Constituição da camada da derme
A epiderme é uma camada mais fina que a derme e não contém vasos sanguíneos. Os nutrientes para esta camada chegam através dos vasos da camada papilar da derme.

As células mais numerosas na epiderme chamam-se queratinócitos. Estas células produzem uma substância responsável por conferir resistência e permeabilidade à epiderme – a queratina.

É também na epiderme que estão os melanócitos. Estas células têm como função a produção de melanina, que é a substância que dá cor à pele.

A Epiderme
Os melanócitos não se encontram só na pele, estes também estão presentes nos olhos e nos tecidos de revestimento (mucosas) de alguns órgãos, como no sistema digestivo e órgãos genitais.

A cor da pele

A cor da pele
A cor da pele é determinada por uma substância produzida pelos melanócitos, chamada melanina. A maior ou menor quantidade de melanina faz com que a pele seja mais escura ou mais clara, respetivamente.

Os melanócitos
A quantidade de melanina não é igual em todas as zonas do corpo. Existem áreas onde está mais concentrada, como nos mamilos, axilas, órgãos genitais ou sardas, e áreas de menor concentração, como as plantas dos pés e as palmas das mãos.

Distribuição de melanina no corpo
A produção de melanina pelos melanócitos é influenciada, essencialmente, por fatores genéticos, o que justifica que algumas crianças nasçam mais morenas do que outras sem que nunca tenham sido expostas ao sol. A produção de determinadas hormonas e a exposição à luz solar também influenciam a produção de melanina.

A alimentação também pode influenciar a cor da pele. O caroteno é um pigmento amarelo, facilmente encontrado em vegetais como o milho e a cenoura. Quando consumido em grandes quantidades, este acumula-se em algumas células da derme e hipoderme, provocando uma cor amarelada. Essa coloração vai desaparecendo à medida que o consumo é diminuído.

Os Sinais

Os sinais
Os sinais são muito frequentes, a maioria das pessoas tem entre 10 a 40 sinais. Eles representam um aglomerado de melanócitos.

No que diz respeito à coloração, os sinais podem ter um tom rosa, castanho-claro, castanho-escuro ou a tonalidade da pele. Em termos de formato podem ser redondos, ovais, achatados ou volumosos.

Sinais

Embora alguns sinais possam estar presentes desde o nascimento, a maioria desenvolve-se durante a infância e adolescência ou até mesmo na vida adulta, até aos 40 anos de idade.

Ter sinais é normal, mas deve prestar-lhes atenção. Ao longo da vida, a forma, cor e tamanho dos sinais podem mudar sem que isso seja sinal de doença. No entanto, é necessário que esteja atento a essas mudanças e que faça o autoexame regularmente.

ref. (59)(60)

Este texto foi revisto e atualizado em dezembro de 2014‏‏.
Em caso de dúvida o seu médico e a restante equipa de saúde são uma fonte privilegiada para obter informações mais pormenorizadas e adaptadas à sua situação.
A informação disponibilizada pelo ONCO+ pretende ser abrangente, percetível, independente, correta e atualizada e não substitui a informação dos serviços oficiais de saúde.
Para sugestões, dúvidas, ou esclarecimentos adicionais contacte-nos em www.oncomais.pt ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Ajude-nos a melhorar o seu ONCO+