Tratamento



Tratamento do Mieloma Múltiplo

O tratamento é sempre individualizado e a sua escolha está dependente de vários fatores, como a existência de sintomatologia, o estado de evolução da doença, a coexistência de outras doenças, a idade, bem como o estado geral de saúde do doente.

No caso do mieloma múltiplo, o tratamento pode incluir:

  • Quimioterapia
  • Radioterapia
  • Imunoterapia
  • Transplante de células estaminais
  • Bifosfonatos
  • Novas terapêuticas

Tratamento do mieloma múltiplo - tipos de tratamento

A quimioterapia

A quimioterapia consiste na administração de medicamentos que combatem as células cancerígenas. Normalmente é feita em associação com corticosteroides. Os efeitos secundários da quimioterapia são relativamente frequentes, e variam de medicamento para medicamento. Entre eles podemos incluir:

Queda de cabelo
Feridas na boca
Perda de apetite
Náuseas (enjoos) e vómitos
Maior suscetibilidade a infeções
Maior probabilidade de hemorragias
Cansaço excessivo (como consequência da anemia)

Tratamento do Mieloma Múltiplo - Efeitos secundários da quimioterapia no tratamento do mieloma

A radioterapia

A radioterapia consiste na administração de radiação no local, ou locais, do tumor.

Este tratamento pode ser utilizado para tratar áreas localizadas ou zonas afetadas pelo mieloma, que não estão a responder, à quimioterapia, como o esperado.

Frequentemente a radioterapia causa vermelhidão da pele no local da aplicação da radiação.

A imunoterapia

A imunoterapia consiste na administração de medicamentos que têm como objetivo desencadear uma resposta do sistema imunitário que auxilia no combate às células cancerígenas.  

Tansplante de células estaminais

O tratamento através do transplante de células estaminais nem sempre é possível, dado o grupo etário dos doentes ser, normalmente, elevado, isto é, superior a 65 anos e devido à presença de comorbilidades.

De uma forma muito simples, as células estaminais são células-mãe capazes de se especializarem em células com funções específicas como, por exemplo, as células que encontramos no sangue.Antes do transplante de células estaminais é necessário eliminar o maior número de células cancerígenas possível, sendo esta eliminação feita através de quimioterapia e, por vezes, radioterapia.

Existem dois tipos de transplante:

  • Transplante autólogo – neste tipo de transplante são utilizadas células estaminais da própria pessoa. Os transplantes autólogos são mais seguros uma vez que o risco de rejeição é menor.
  • Transplante alogénico – neste tipo de transplante são utilizadas células estaminais de um doador, que é, geralmente, um familiar próximo, ou então um dador compatível.

No transplante alogénico existe maior risco de rejeição, uma vez que as células são de um doador.

Tratamento do Mieloma Múltiplo - Transplante de células estaminais

Bifosfonatos

O uso de bifosfonatos ajuda a impedir a progressão da doença óssea e devem ser associados à terapêutica de base inicial. A sua utilização é periódica e por tempo limitado devendo ser vigiados o aparecimento de problemas renais e de osteonecrose da mandíbula.

Novas terapêuticas

Novas vias de abordagem estão a ser investigadas como o uso de marcadores de superfície dos plasmócitos como alvos específicos, sendo os resultados dos estudos clínicos muito animadores.

É importante referir que raramente é possível eliminar todas as células cancerígenas, por isso, o mieloma múltiplo pode reaparecer posteriormente.

ref. (A79, A80)

Este texto foi revisto e atualizado em setembro de 2015‏‏.
Em caso de dúvida o seu médico e a restante equipa de saúde são uma fonte privilegiada para obter informações mais pormenorizadas e adaptadas à sua situação.
A informação disponibilizada pelo ONCO+ pretende ser abrangente, percetível, independente, correta e atualizada e não substitui a informação dos serviços oficiais de saúde.
Para sugestões, dúvidas, ou esclarecimentos adicionais contacte-nos em www.oncomais.pt ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Ajude-nos a melhorar o seu ONCO+