Sintomas e Diagnóstico



Cancro da Próstata - Sintomas e Diagnóstico

O diagnóstico do cancro da próstata não é feito apenas com um exame, mas sim através de um estudo do individuo e vários exames complementares de diagnóstico.

Inicialmente, é necessário que o médico conheça a sua história clínica. A história clínica vai incluir todos os problemas de saúde que já teve e o estudo de casos de cancro da próstata em familiares próximos. Seguidamente, serão analisadas as queixas e sintomas que apresenta.

O cancro da próstata numa fase inicial, geralmente, não apresenta sintomas.

Em fases mais avançadas pode existir dificuldade em urinar por compressão da uretra, bem como aumento do número de vezes que tem necessidade de ir à casa banho, particularmente à noite, e infeções urinárias frequentes.

É importante referir que quando existe hiperplasia benigna da próstata, isto é, um aumento do tamanho da próstata, que não está associada a cancro, estes sintomas também podem surgir.

 

Em alguns casos pode surgir sangue na urina (hematúria) e dificuldades em obter uma ereção. Quando o cancro já se espalhou para outros locais do corpo (metástases), podem surgir sintomas noutros locais, como dores na coluna, dormência dos membros, incontinência urinária e fraqueza.

Os exames complementares de diagnóstico para o cancro da próstata são:

  • O toque retal – o toque retal é feito pelo médico, através da introdução de um dedo no reto. Este exame fornece informação importante permitindo saber a forma, textura e posição da próstata e dando uma ideia se o tamanho está normal ou aumentado. No entanto, não é um exame suficiente, é apenas um auxílio numa fase inicial.

  • A ecografia transretal – consiste na realização de uma ecografia em que se coloca a sonda do ecógrafo no reto. É uma técnica de imagem, por isso, fornece informação mais precisa sobre o tamanho e a estrutura da próstata. 

    Mesmo que o órgão se apresente aumentado não significa que exista cancro, existem aumentos da próstata benignos que requerem apenas vigilância.

  • Análises sanguíneas - as análises são particularmente importantes para verificar os valores de uma substância, o antigénio específico para a próstata (PSA). O PSA é um marcador tumoral, isto é, valores elevados desta substância no sangue indicam a presença de tumor, e por ser específico para a próstata é útil no diagnóstico.

O valor do PSA depende da idade, por isso, determinam-se como valores normais para as idades:

 

Mediante os valores ajustados à idade podemos prever qual a probabilidade de existir de facto cancro:

Uma nota importante é que, embora tenha acesso a estes valores de referência, deve deixar que seja o seu médico a analisá-los. Primeiro, porque estes dados devem ser enquadrados no seu historial e dados clínicos aos quais só o seu médico tem acesso, e segundo porque de laboratório para laboratório estes valores podem oscilar ligeiramente, o que significa que não devem ser interpretados de forma isolada.

  • Biópsia prostática – a biópsia é o exame que, na presença de suspeitas, confirma o diagnóstico de cancro. É feita através de uma colheita de tecido da próstata (uma ou várias partes) e depois é estudada em laboratório. É um exame que pode causar desconforto e medo, quer pela sua execução, quer pelos resultados. A técnica é executada através da introdução de uma agulha pelo reto até à próstata onde é então recolhido o tecido.

ref. (18) (19)

Este texto foi revisto e atualizado em janeiro 2015‏‏.
Em caso de dúvida o seu médico e a restante equipa de saúde são uma fonte privilegiada para obter informações mais pormenorizadas e adaptadas à sua situação.
A informação disponibilizada pelo ONCO+ pretende ser abrangente, percetível, independente, correta e atualizada e não substitui a informação dos serviços oficiais de saúde.
Para sugestões, dúvidas, ou esclarecimentos adicionais contacte-nos em www.oncomais.pt ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Ajude-nos a melhorar o seu ONCO+